fbpx

Inovação disruptiva: como sua empresa pode crescer 10 vezes mais rápido

ideia-inovacao-disruptiva

A inovação disruptiva ou os chamados modelos de negócios disruptivos abriram novos mercados e por conta do poder dos consumidores, as empresas precisam preencher demandas que jamais viram antes.

Para suprir essas demandas é indispensável ir a além quanto às necessidades do público e atendê-las de forma exclusiva, inovadora e digital – sempre de acordo com costumes do público que a sua empresa pretende atingir.

Esse vídeo da Harvard Business Review traduz a essência da inovação disruptiva. E com cases reais mostra como uma pequena empresa bate um gigante da indústria.

 

Descobrir o modelo de negócio que melhor se encaixa em sua proposta é ponto de partida para identificar oportunidades e crescer de forma escalável, ou seja, muito mais rápido que um negócio tradicional.

O conceito de modelo de negócio se popularizou entre empreendedores na tese proposta pelo autor Alexander Osterwalder, através do Business Model Canvas (BMC), também denominado Canvas de Modelo de Negócio.

Milhões de empreendedores já utilizaram o BMC para mapear projetos e negócios. O objetivo é que todas as informações mais importantes de um negócio possam ser visualizadas em uma única página, através do Canvas.

E quando falamos em inovação disruptiva, a utilização do BMC faz ainda mais sentido.

Descubra qual é o melhor modelo de negócio para a sua empresa e coloque a mão na massa para validar suas ideias e projetos.

Explores os principais modelos de inovação disruptiva para sua empresa crescer mais rápido:

ASSINATURA

Oferece um produto ou serviço tradicionalmente adquirido em uma base exclusiva que cobra uma taxa para acesso continuado. Ou seja, consiste em ofertar produtos/serviços, escolhidos previamente, através de um valor mensal, sendo possível realizar um upgrade do plano que normalmente está atrelado ao aumento de preço.

Este modelo foi bastante adotado após a Netflix desbancar a Blockbuster em 2007, oferecendo filmes em streaming ao invés de aluguel.

Pioneiros: Jornais e revistas
Disruptores: Netflix, Apple Music e KindleUnlimited

FREEMIUM

Fornece um serviço ou produto básico (gratuito) em troca de dados de usuários, ao invés de dinheiro e, em seguida, cobram pelo upgrade da oferta completa.

Seria uma combinação dos modelos Free + Assinatura, explorados pela mesma empresa, simultaneamente. Porém não se engane, o modelo de negócio continua sendo muito benéfico ao cliente que tem a possibilidade de escolher a forma como deseja utilizá-lo.

Neste modelo é possível lucrar através do plano mensal, da venda de dados e do espaço publicitário.

Interessante, não?

Pioneiro: Disquetes gratuitos com versão de produtos fornecidos por empresas de software
Disruptores: Spotify, LinkedIn e Dropbox

FREE

Envolve a venda de informações pessoais ou impressões, oferecendo aos consumidores um produto ou serviço “gratuito” que captura dados e atenção.

Em troca os consumidores registram seus dados pessoais. Quanto mais o produto ou serviço é usado, mais informações são colhidas para em seguida serem comercializadas.

Na verdade, o público-alvo final deste modelo não é o consumidor, mas empresas que compram os dados coletados e/ou divulgam seus produtos/serviços para esse público.

É com este modelo de negócio que mais interagimos diariamente.

Pioneiro: Motores de pesquisa
Disruptores: Google, Facebook e Snapchat

MARKETPLACE

Facilita a interação entre compradores e vendedores no mercado digital, em troca de uma transação, taxa ou comissão.

Quem não conhece ou já utilizou o Mercado Livre?

Pois bem, a marca é pioneira no mercado brasileiro neste formato de modelo de negócio inovador. Mas eBay e o iTunes são outros conhecidos utilizando este modelo.

A ideia é proporcionar uma enorme variedade de produtos/serviços que a empresa sequer possui. Isso quer dizer criar uma plataforma que serve como uma enorme vitrine virtual e coloca em contato direto vendedores e compradores, contribuindo para negociações comerciais, lucrando uma pequena porcentagem de cada venda.

Pioneiro: Classificados de jornal
Disruptores: eBay, Alibaba e Uber

ACCESS OVER OWNERSHIP

Permite acesso temporário a bens e serviços tradicionalmente disponíveis apenas através da compra, comissionado por pessoas que monetizam seus ativos (casa, carro, capital), emprestando-os a “mutuários”.

Trata-se do modelo do “as a service” e que tem grande potencial de crescimento em curto prazo, devido ao sucesso de empresas como o AirBnb, ZipCar e Peerby.

Neste modelo de negócio uma das partes oferece algo de sua propriedade por um tempo limitado à outra pessoa. Se caracteriza como um modelo de economia compartilhada.

Pioneiro: Economia compartilhada
Disruptores: Zipcar, Peerbuy e AirBnB

HYPERMARKET

Utiliza o seu poder de mercado e escala para esmagar a concorrência, muitas vezes vendendo abaixo do preço de custo.

Pioneiro: Amazon
Disruptores: Amazon e Apple

EXPERIÊNCIA

Propõe uma experiência de consumo superior e exclusiva para pessoas que estão dispostas a pagar.

Neste modelo de negócio a experiência do consumidor é superior a tudo.

Esse é o objetivo da Tesla, por exemplo, a marca do disruptor Elon Musk. Mas a Apple e a KLM Royal Dutch Airlines também estão empregando esse formato.

Em geral, as organizações que optam por este modelo estão em mercados extremamente competitivos e, para se destacar, ofertam produtos ou serviços únicos – cobrando um valor acima do mercado.

Pioneiro: Apple
Disruptores: Disney World, Tomorrowland, Tesla e Apple

ON-DEMAND

Monetiza o tempo e vende acesso instantâneo com premiações, inclusive em dinheiro, com a lógica de que não há tempo que paga por bens e serviços prestados ou cumpridos por pessoas com tempo, mas sem dinheiro.

O termo já é mais popular entre os consumidores e usado de acordo com a necessidade do cliente.

Aqui a premissa é o fornecimento de altíssima qualidade, com rapidez e conveniência e acesso instantâneo a um produto/serviço Premium.

Apesar de ser um modelo com mais riscos, quando feito da forma adequada é um dos mais comuns de se tornarem disruptivos em qualquer segmento de mercado.

Pioneiro: Uber
Disruptores: Uber, Operator e TaskRabbit

ECOSSISTEMA

Vende um conjunto de produtos e serviços interligados e interdependentes que agregam valor quanto mais são comprados. Cria dependência do consumidor.

O seu iPhone quebrou?

Que pena que agora você já adquiriu um MacBook e um Apple Watch, agora vai precisar comprar um iPhone novo.

Ou seja, esse é o “Modelo Dependência”.

Grande aposta de empresas como o Google e a Apple, que desenvolvem um leque absurdo de produtos e serviços diretamente dependentes para os consumidores.

A maior sacada deste modelo para os fabricantes é a dificuldade que o público tem de sair dele – apesar dos grandes benefícios que ele oferece.

Pioneiro: Apple e Google
Disruptores: Apple e Google

Agora que você entendeu como a inovação disruptiva pode fazer seu negócio crescer mais, que tal inovar utilizando o Canvas?!

Eu posso te ajudar!

Me chame no whats e vamos começar.

Empreendedorismo Inovação Tecnologia

Deixe o seu comentário